Deserto do Atacama

Bem, é melhor sentar porque eu tenho muita história pra contar.

História da boa, história cheia de histórias…

Vamos do início…

Seguro viagem

Antes de fazer qualquer viagem a primeira providência deve ser o seguro. Muita gente não valoriza, mas imagina se acontece alguma coisa e você precisa de cash pra resolver na hora, dependendo do valor, não se resolve, né?

Então, já sabe, providencie um e vá tranquila. A Bighiturismo resolveu tudo pra nós e não tivemos o mínimo de trabalho.

Passagens

Em relação as passagens… foram adquiridas pela Kiwi, a empresa deu uma boa assistência, mas na volta tivemos um problema com um voô que eles trocaram de Calama para Santiago e acabamos mudando de operadora, o que nos resultou num prejuízo de R$ 260 reais para despachar uma mala. Esse inconveniente aconteceu pela JetSmart. Não recomendo a empresa, atendimento frio e bem desagradável.

Roupas

Quando se fala em deserto a primeira coisa que vem a cabeça é calor, não é mesmo?!

Puro engano! Chegamos a pegar no mesmo dia -10 graus e 40 graus. Parece inacreditável , mas não é!

Por isso o efeito cebola constante, colocar e tirar roupas. Ufa! Cansa!

Tem que ter um kit de caminhada, a Mundo Terra foi sensacional na consultoria e deu tudo certo.

Câmbio

O cambio foi feito no aeroporto de Santiago. A empresa AFEX pagou 154 pesos chilenos pelo real. Já em San Pedro de Atacama encontramos um valor melhor de 160 pesos chilenos. Para quem parar em Santiago, na Rua Augustina (próximo ao Paseo Ahumanada – região central) conseguimos o câmbio de 177.

PDI Polícia de Investigaciones de Chile

A Tarjeta única migatória que recebemos no aeroporto na imigração parece um papel descartável e ninguém comunica a importância dele, mas você vai precisar apresentar para se hospedar a viagem toda.

HOTEL

Uma dificuldade que tivemos foi na escolha do hotel, queríamos algo bem próximo ao centro com estacionamento e café da manhã.

Encontramos o Diego de Almagro que foi o primeiro hotel da região, simples, limpo e num ponto ótimo, inclusive na rua da Estacion de Serviço (único posto de gasolina) .

Difícil andar de carro por lá, parece labirinto, mas existem placas de Estacion de Serviço por toda cidade e seguindo as placas foi bem fácil encontrar o hotel

Nesse mês de maio pagamos a diária mais ou menos R$ 400 reais com café da manhã.

Quando sair num tour muito cedo requisite na recepção um lanche box eles disponibilizam bem cedo e chás, inclusive o de coca.

Chá de coca

Importante para quem vai dirigir em altitude pois evita as náuseas, dor de cabeça e sonolência.

É uma prática local e você encontra as folhas por toda a cidade, um saquinho pequeno custa em média 500 pesos chilenos e o saquinho de bala de coca 1500 pesos.

Usamos e foi bem eficaz.

Carro

Outro fator que faço questão de mencionar é o aluguel de carro. Lemos muito sobre o assunto e todos eram unanimes na opinião do 4X4, alugamos um Subaru por R$1700 reais os 5 dias e não achamos menor dificuldade em alugar um carro um pouco menor. Não chegamos a usar a tração nenhuma vez.

Locamos pela Europcar.

(Vale ressaltar que fomos em maio, não sei dizer nos outros meses como são as estradas)

Bem, vamos começar nosso roteiro:

DIA 1

A chegada é sempre mais cansativa, é preciso ter calma para a aclimatação, acostumar com a nova temperatura e altitude. Por isso é recomendável fazer os passeios mais lights nos primeiros dias.

Nosso primeiro destino foi Ojos del Salar, duas pequenas lagoas de água doce.

Não se paga ticket para entrar e é bem fácil chegar. Fica na mesma altitude de San Pedro de Atacama. Talvez um dos únicos lugares que se possa voar um drone.

Lá tive minha primeira impressão de alugar uma bicicleta: quilômetros de poeira e muito calor, muita estrada para andar….

Até fotografei com a bicicleta de um casal, mas bastou, nada de pedal por lá.

De lá partimos para lagoas Cejar e Tebenquiche

Há 30 km de San Pedro de Atacama, vale a pena um banho. A água é bem salgada, gelada e você não consegue afundar nela, você não pode exceder 45 minutos de banho (essa informação veio do próprio local e até agora não sabemos o porque).

Do lado de fora tem vestiário, banheiros e chuveiro. Tudo bem limpo.

Todos os lugares tem área dedicada para os lanches e em 90% deles é proibido fumar, mesmo em área externa.

Valor de entrada 10.000 pesos chilenos

Mercados locais

O plano era comprar água e alimentos em Calama mas, não deu tempo. Chegar a noite em Calama é complicado tanto para pegar o carro quanto para transfer porque os estabelecimentos encerram cedo (alguns stands de carro ficam abertos 24hs e tem hotéis que recebem hóspedes somente até 00:00, vale a pena verificar).

Acabamos por fazer comprinhas em San Pedro, tudo bem caro, uma água pequena custava de 800 a 1500 pesos , compramos pães e frios para fazer os lanches durante o dia e a noite íamos a restaurantes locais.

Encontramos o mercado Don Vicente ( na rua Licancabur – nome do vulcão mais famoso por lá) preferido pelos locais. Tudo na cidade bem acima do que costumamos pagar. O mercado ainda tem melhores preços.

Se você estiver no centro é só atravessar por dentro da feira artesanal .

Inclusive nessa rua tem dois restaurantes locais que gostamos: Barros (não tivemos a oportunidade de comer a lasanha de frango com acelga, quem comer me diz se valeu apena!) e a Delícias de Carmen. Os dois foram indicado pela Open Travels (Sabrina e Batatinha)

Prato típico local Chourriana no Barros Restaurante.

O passeio que mais gostei: Vale de la Muerte ou Vale de Marte.

Fomos apreciar o por do sol.

Lugar incrivelmente lindo. Mas, um dos guias diz que o Vale de la Muerte (ou Vale de Marte) era o local onde os indígenas se escondiam quando contraíam doenças contagiosas na época da ocupação dos espanhóis. Eles se escondiam para morrer. Já encontraram várias ossadas em diferente locais remotos no vale.

Depois das dunas numa caminhada de mais ou menos 30 minutos você pode apreciar um por do sol maravilhoso.

Muitas vans sobem com turistas (por outro caminho) e fazem mesas de lanches ver o espetáculo.

“Apachetas eram montes de pedras que os povos indígenas dos Andes construíam por dois motivos:

1º para marcar e sinalizar o caminho no deserto.

2º eram altares sagrados construídos para os deuses incas.

Além de marcar geograficamente o caminho, a apacheta possuía um significado simbólico: uma orientação espiritual, um local sagrado de descanso para outros viajantes do deserto, onde eram deixadas oferendas para seus ancestrais pedindo boa sorte no caminho, proteção e uma boa colheita e agradecendo à Pachamama (mãe terra) por cuidar tão bem deles.

Os atacamenhos mantiveram a tradição e os montinhos de pedras podem ser vistos por todo o deserto.”

entrada 3000 pesos.

Dia 2

Puritama.

Claro que estando de carro você tem a vantagem de ir parando aonde quiser para fotografar.

Essa é a trilha de Guatim.

Imaginem vocês se um cacto cresce 15 cm no mês e depois de um ano 1 cm a cada ano, esses são gigantescos.

O Trekking Guatin leva cerca de 2h de caminhada a apenas 3000 m de altitude, um pouquinho mais alto que San Pedro. É mais um passeio bem legal pra ser feito no início da viagem, para se aclimatar e não sofrer os efeitos da altitude.

Os espinhos desses cactos são usados como agulhas para fazer artesanatos.

E o cacto quando morre desidrata e fica sólido como madeira e, eles usam para produzir portas e janelas.

Uma caminhada gostosinha e fomos rumo a Puritama.

Puritama é um terma com 8 piscinas e temperatura de água de até 30 graus.

Dizem que nas suas águas tem diversos minerais que curam enfermidades reumáticas e seu banho é terapêutico. Seja lá o que for, é uma delícia ficar na água.

Também tem área para lanche, banheiro e um locker, quem quiser usar precisa levar um cadeado para trancar.

Pegamos um dia ótimo sem vento e sem muito frio.

Precisa levar toalhas e roupa seca.

A Caminhada do estacionamento para as piscinas é grande e na volta a subida é bem complicada porque você já sai relaxado da água e a 3500 de altitude, o que aumenta muito o cansaço e as vezes dá sonolência.

Eu sofri todos os efeitos da altitude, tive queda de pressão e muita sonolência.

entrada 15000 por pessoa.

De lá seguimos para o Vale de La Luna, afinal queríamos conhecer tudo e o tempo voa!

Para entrar no Vale da Luna tem que reservar um dia antes no próprio local. Lá você pagará 3000 pesos por pessoa e terá o direito de ver o por do sol no Vale do Coyote, mas não pode perder a hora porque o carro só entra até as 17:30hs.

Já na entrada do Vale encontramos essas placas de sal, a dimensão delas nos chamou atenção. 20 cm de espessura!

O Coyote pinta o céu de vároas cores!

Para encerrar o passeio um por do sol num céu lindamente colorido.

Esse dia passamos também por altas e baixas temperaturas.

Dia 3

Toconao menos de 30km de San Pedro.

Caminho para Lagunas Altiplânicas.

Paramos para conhecer o local e fazer uma visita na casa da Dona Luiza.

Dona Luiza é uma senhora que vende artesanatos em casa, tem lhamas no quintal e frutas regionais. Vale a pena uma visita.

O mesmo poncho que encontrei na feira artesanal do centro a 70000 pesos, paguei 30000. Super vale a pena e ainda pude abraçar uma lhama linda!

Olha aí as agulhas dos cactos que falei que elas cozem artesanatos.

Essa fofura eu queria trazer pra casa, mas dona Luiza não deixou.

Bom, seguimos para Altiplânicas.

Mais de 4000 m de altitude, visual lindo, frio e com sol.

Tem lugar para piquenic e banheiros.

O dourado da paisagem em contraste com os tons terrosos me encantou.

A flora e a fauna surpreendem.

É um passeio mais longo, mas vale a pena porque o visual é incrível.

As lagoas ficam aos pés dos milenários vulcões Altiplânicos.
 As lagunas refletem o desenho dos inúmeros vulcões que as cercam. O silêncio é quebrado apenas pelo barulho no vento.

As vicunhas são facilmente vistas por todo caminho. Vale a pena lembrar que não se deve correr nas estradas porque várias espécies de animais passam por elas.

Algumas empresas ainda incluem Piedras Rojas nesse trajeto, o que faz que este se torne um passeio de dia inteiro. Piedras Rojas é um local com uma lagoa de águas verdes bem claras e formações rochosas avermelhadas.

Nós estávamos muito cansados e optamos por não fazer o passeio.

Vale lembrar que deve-se sair bem cedo por causa da temperatura e para ganhar o dia. Anda-se muito por lá e o cansaço bate mesmo.

Ressalto que na volta tem que tomar cuidado para não dormir no volante, dá sonolência demais.

valor da entrada 3000 pesos chilenos

Dia 4

O dia que não esquecerei!

Saímos do hotel as 6 da manhã, na estrada chegamos a -10 graus e no meio do dia a quase 40 graus. Parece mentira mas não é!

Nesse dia fomos aos Geysers. Tem um mito de que a estrada é perigosa e que só pode seguir com guia. Fomos de carro e não vimos nada disso. Claro que tem umas curvas para cuidar, mas de resto (durante o mês de maio) foi bem tranquilo.

A entrada já é mais cara 10000 pesos chilenos.

Ah! Se não chegar em cedinho a temperatura vai elevando e as “fumacinhas” que saem do chão vão sumindo. Esse espetáculo é imperdível, então pule da cama cedo!



Um geyser é um respiradouro na superfície da Terra que periodicamente ejeta uma coluna de água quente e vapor. Até mesmo um pequeno geyser é um fenômeno incrível; no entanto, alguns geyseres têm erupções que expelem milhares de litros de água fervente até algumas centenas de metros no ar.

A água chega a 80 graus , em alguns pontos 50 . O Alexandre testou em local seguro e viu que era bem quentinha.

Logo abaixo tem uma lagoa termal onde a temperatura deve ser em torno dos 30 graus, não entramos porque pra sair e se vestir deve ser bem gelado hahahaha. Não tivemos coragem.

No caminho de volta encontramos essas raposinhas e os burros.

A gente fica igual criança quando vê um animal pela frente.

Descendo dos Geysers passamos pelo Machuca para “beliscar” algo.

Casinhas regionais, uma igrejinha no alto, lhamas passeando e o churrasquinho (desconfio até agora que seja de lhama) atraindo os turistas.

Essa é a igrejinha e, pra mim essa imagem foi o ícone do local. Talvez nunca esqueça essa sensação e esse dia.

Pagamos 2000 pesos chilenos pelo pastel de queijo e meu marido pagou 3000 pesos pelo churrasco.

As estradas são um show a parte, o lugar é tão grande que, por mais que a cidade esteja cheia, todos se espalham e a sensação é de que a natureza é toda sua!

Muito tranquilo, muito organizado e muito limpo. Vale ressaltar que deve-se obedecer todas as placas, lugares que podemos pisar, banhar, voar drone, comer… as regras são bem respeitadas.

Como esteva chegando ao fim fizemos o tour astronômico pelo Vive Atacama.

Gente… é frio! Tem que se agasalhar muito porque a friagem começa a atingir os pés e subir para os ossos. Aconselho duas meias ou uma bota bem preparada.

Lá eles distribuem um poncho para cada um e no final servem vinho e um lanchinho. A turma tem direito a uma foto, mas se quiser individual é só pagar 3000 pesos chilenos.

O passeio ficou em 20000 pesos por pessoa. Pudemos ver um céu divinamente estrelado e várias estrelas cadentes dançando no céu. A aula é ótima e tem telescópio para ver de perto o que aprendemos.

Quem nos ofereceu o passeio foi a Open Travels, eles são brasileiros que fazem receptivo em vários lugares e, inclusive auxiliam no que você vai precisar levar para sua viagem. Super indico para quem vai pela pela primeira vez para não perder nada.

Dia 5

Último dia!

Ah! Eu queria diversão!

Tem que ter fôlego, muita caminhada nas dunas!

Há quem faça os passeios a cavalo, há quem desça as dunas de prancha.

Nós escolhemos a segunda opção. Alugamos uma prancha na cidade por 3000 pesos chilenos (sem instrutor) e nos divertimos muito.

Não é tarefa fácil subir as dunas para descer escorregando. Tem que ter paciência, preparo físico e ir devagar.

Genteeeee, vale a pena, mas não façam no primeiro dia, deixem o corpo se habituar primeiro!

AH! Eu detesto despedidas mas tivemos que partir. Cinco dias talvez seja pouco, dependendo do que você quer, acho que o ideal é uma semana, mas tem que ir com roteiro pré estabelecido, os dias voam e não dá pra perder tempo com nada.

Super recomendo a viagem, talvez para casal e amigos, para crianças não é uma boa diversão e adolescentes, somente os que tem pique senão vão travar o passeio, são muitas horas no carro e não tem net no deserto, somente no hotel e na cidade.

DICAS E CURIOSIDADES

  • entregar o carro lavado na devolução no aeroporto, algumas empresas cobram taxa.
  • chegar com antecedência no aeroporto para entregar o carro, a fila estava grande e são poucos funcionários par atender, se chegar na hora do embarque perde até o vôo. Tem a opção de deixar as chaves (drop of box) e resolver por email, mas não confiamos, eles podem arrumar qualquer problema no carro e não estando presente como provar?
  • beba muita água para não desidratar e não cair a pressão
  • leve um creme de corpo bem consistente, sua pele vai parecer pele de cobra
  • protetor solar e labial são indispensáveis
  • a água do banho é saloba, não se entristeça, banho de água doce somente quando chegar em casa, sal nos cabelos hahahaha
  • não se encha de carne vermelha, é pesado e dá vontade de ir ao banheiro em grandes altitudes
  • passeios para subir o vulcão somente nos últimos dias e só se estiver bem preparado fisicamente, senão deixe para próxima
  • pese bem a bagagem e veja a política de todas as cias, são no mínimo dois vôos e você pode ter surpresas desagradáveis
  • faça um check list das roupas casaco grosso, tênis, calças , t-shirts e um tênis ou bota de trekking, tudo vai ficar com 1 kilo de terra
  • não alimente os animais nas estradas, isso faz com que eles se aproximem dos carros em busca de alimentos e acabam sendo atropelados
  • todos os estabelecimentos com música ao vivo não cobram couvert, no entanto, o artista passa o chapéu nas mesas (vale lembrar que este é o salário deles)
  • não é permitido andar pelas ruas bebendo bebida alcoólica e nem com ela aberta, você pode ser preso
  • A canabis é legalizada e usada para vários tratamentos
  • A chuva que deu há uns dois anos atrás mudou bruscamente a paisagem da região e, nessa época turistas foram até evacuados
  • A estrada de Calama para San Pedro de Atacama é boa e bem sinalizada

Bem acho que é isso!

Não posso deixar de citar meu parceiros nesse roteiro:

Open Travels receptivo que facilita tua vida!

Bighiturismo facilitou ao máximo nosso roteiro e os custos

Vive Atacama passeios turísticos

Mundo Terra pelo check list imbatível, sem eles eu erraria feio

Maria Brasileira pela assistência na minha residência enquanto estava fora

Qart fitness, Hope Shopping Park Lagos e Chilli beans pelos looks e acessórios para as fotos.

Espero que tenham gostado! Deixem seus comentários!

Até o próximo destino.

bjinhos

4 opiniões sobre “Deserto do Atacama”

  1. Amei o post e as fotos!! As dicas também são essenciais! Realmente esse lugar parece ser maravilhoso!! Fiquei encantada pelas dunas!! 😍😍😍

Deixe uma resposta